27 Fevereiro, 2009

Amplificasom: próximos concertos

Earth + Jorge Coelho
31 de Março, terça
Passos Manuel
22h
12€ antecipado/ 15€ no dia
Reservas esgotadas. Poucos bilhetes à venda na Louie Louie, Piranha, Jojo's e Matéria Prima. Lost Underground também esgotada.
c/ Lovers
A Storm of Light (nova banda de Josh Graham dos Neurosis) + Catacombe
4 de Abril, sábado
Passos Manuel
22h
8€ antecipado/ 10€ no dia
Bilhetes à venda a partir de sábado nas lojas Lost Underground, Louie Louie, Piranha e Jojo's.
c/ SWR
This Will Destroy You + Without Death Penalty
15 de Abril, quarta
Passos Manuel
22h
8€ antecipado/ 10€ no dia
Últimas reservas: amplificasom@gmail.com
Bilhetes à venda a partir de sábado nas lojas Lost Underground, Louie Louie, Piranha e Jojo's.

Pequeno almoço


Refused – New Noise

26 Fevereiro, 2009

SunnO))) @ Corsica Studios, Londres 22-02-2009

Há quem experimente drogas, quem se imole, quem medite para tentar encontrar uma paz interior, a que muitos chamam “deus”. E há quem atinja esse estado de espírito (ou do que lhe quiserem chamar) através do som. John Cage procurou o silêncio. Sentou-se numa sala à espera de não ouvir absolutamente nada. O som, contudo, estava sempre lá. Acompanhava-o para onde quer que fosse. A partitura vazia não equivalia ao silêncio. Esse era uma ilusão. O que Cage devia ter procurado era algo completamente diferente. Era o vazio através do som total, um tal caos que deixa de ser caos e que, quando visto ao longe, se torna ordem. Isto não é uma crítica a um concerto. Isto é uma declaração de um buraco negro que se abriu no planeta numa destas noites.
No passado domingo, ao entrar nos Corsica Studios, numa zona suspeita de Londres, a sensação imediata foi a de que algo estava errado quando vi os Sunn O))) na Casa da Música. Não são uma banda para se ver num espaço convencional. O caminho deve ser traçado numa sala deste género: muito pequena, completamente negra, onde qualquer direcção indica um amplificador. Particularmente no palco. Muitos amplificadores. A wall of sound nunca fez tanto sentido. É uma parede de amplificadores. Não há como negar o receio daquilo que pode vir a acontecer aos ouvidos. Aliás, por essa mesma razão o bar distribui tampões de borla. Com um aviso em várias paredes: “não nos responsabilizamos por estragos permanentes”. O óbvio.

Stephen O'Malley e Greg Anderson entram em palco. Trajam os habituais robes ao estilo monástico, empunham uma garrafa de vinho cada, pegam nas guitarras que se encontram em cima dos amplificadores. Alguém, claramente sob o efeito de psicotrópicos, grita “só a morte é real”. Os restantes, sóbrios e sérios, riem-se. E é aí que tudo começa. Por mais de hora e meia, os dois homens em palco, auto-intitulados Sunn O))), “tocaram”. Tocaram nas guitarras, sim, literalmente. Mas o verbo tocar aqui não faz sentido. É a Criação, por breves momentos. Fechar os olhos e ouvir o que vinha do palco permitia escutar para lá do que realmente estava a acontecer. A primeira camada era só uma fachada, a porta de entrada para quem simplesmente quer ouvir barulho. É nas restantes coberturas sonoras que se encontra o significado de tudo isto. Era como ouvir a formação de um novo mundo e as nascentes de novos rios e mares, oceanos a serem gerados, o sexo entre sóis e luas, suado, trepidante, incandescente e, acima de tudo, maravilhoso. Por baixo de tudo isso, os pássaros que nascem e cantam, as vozes que se ouvem nas bocas fechadas de todos os presentes, mas principalmente, de quem não se encontra na sala. Por baixo de tudo isso, é o verdadeiro Acontecimento. O palco não importa nada. O que importa são as vibrações que nos puxam e que nos levam a uma entidade comum. O tremer da pele e da carne diz-nos que não estamos ali. Nós não somos os corpos que estão de pé numa sala muito pequena, completamente negra, repleta de amplificadores num certo armazém da capital inglesa. Nós já não estamos ali. É uma viagem ao interior uns dos outros, quando deixamos de viver e passamos a formar um só ser. Momentaneamente é claro. Nem todos somos os janados da frente que fazem cornos para o palco ou que têm as mãos em permanente pose de quem segura um cacho de uvas (um dos quais é o mesmo que gritou a tal frase de só a morte ser real).

Mas toda a masturbação chega a um orgasmo (como este último parágrafo) e assim foi com o concerto. A celebração dos dez anos do grupo, com o lançamento em 1998 dos The Grimmrobe Demos, aconteceu assim, num concerto único no Reino Unido. As duas guitarras acabaram a noite suspensas, sozinhas, sem que o som vindo delas terminasse. Alguém dizia no início: “isto é o século XXI”. Sim, é isto o século XXI. Há quem diga que é a banda sonora para o Apocalipse. Muito pelo contrário.
Tiago Dias in Bodyspace

Ananana: liquidação total

"Boa tarde,

Informamos que a Ananana está em liquidação total.
Todos os discos estão a 8€ (excepto consignações).

Cumprimentos

LOJA: Rua do Diário de Notícias, 9
Bairro Alto1200-141 Lisboa-Portugal
TELEFONE: 213474770
HORÁRIO LOJA: {2ª a 5ª}: 16h às 20h {6ª e sáb}: 16h às 22h"

Ipecac a 10€

E que tal um Oceanic ou um Panopticon a 10€? Não acredito que ainda ninguém os tenha, mas a Ipecac está com uma campanha especial em que alguns discos estão a esse preço. Espreitem no site da Lost Underground.

25 Fevereiro, 2009

Novo SunnO))) já tem artwork

"Monoliths & Dimensions is practice in density, gravity and momentum."

+ info

Long live Khanate

Músicos, amigos e conhecidos falam da importância dos Khanate, da primeira vez que os viram e ouviram, partilham histórias da estrada, etc etc. Tal como Ben Chasny afirma, são uma banda intemporal.
Artigo aqui: Left Hand Path

"Existe um circuito de concertos no Porto?"

Artigo interessante por Mariana Duarte: link

Faith No More ao vivo?!

É verdade que os Faith No More se vão reunir para uma tour europeia ou é apenas uma partida de carnaval? Lá vêm eles a um festival ranhoso...

O regresso dos Keelhaul

Nunca pensei muito a sério como se pronuncia o nome destes gajos, o que eu sei é que são do caraças e estavam há muito tempo parados. Sabe-se que vão finalmente editar um novo álbum esta Primavera via Hydra e já há dois temas no myspace: www.myspace.com/mykeelhaul

20 Fevereiro, 2009

Bom carnaval

e até março, que eu vou de férias e vou levar comigo:

Akron Family - Set 'em wild, Set 'em free (2009)
Anneke Van Giersbergen - Pure Air (2009)
Anoice - Remmings (2006)
Antony & the Johnsons - the Crying Light (2009)
Blut Aus Nord - Memoria Vetusta II - Dialogue with the stars (2009)
Buried Inside - Spoils of Failure (2009)
Celeste - Misanthrope(s) (2009)
Cloudkicker - The Map is not the Territory EP (2009)
Current 93 - Of Ruine or Some Blazing Starre
Enablers - Tundra [magic wallet 2008]
Enslaved - Vertebrae (2008)
Funeral for a Friend - Memory and Humanity (2008)
Giant Squid - The Ichthyologist (2009)
It Prevails - Capture And Embrace (2009)
Jarboe - Mahakali (2008)
Jesu - Why Are We Not Perfect EP (2008)
Ktu - Quiver (2009)
Lamb Of God - Wrath [2009]
Mastodon - Crack The Skye
Mono - Hymn To The Immortal Wind (2009)
Napalm Death - Time Waits for no Slave (2009)
Scale The Summit - Carving Desert Canyons [2009]
She Said Destroy - This city speaks in tongues (2009)
Solstafir - Kold (2009)
Steven Wilson - Insurgentes (2008)
The Eyes Of A Traitor - A Clear Perception [2009]
Verse - Agression (2008)
Verse - From Anger and Rage (2006)
Wolves in the Throne Room - Malevolent Grain [southern lord 2009]
Yagya - Rigning (2009)
Zombi - Spirit Animal (2009)
’thenor - faking gold and murder (2009)

Vou levar pq é o que vai no leitor, não quer dizer que vá ouvir... :p Bons sons e não abusem das amêndoas.

Miika Tenkula (1974–2009)

R.I.P. :(
@ Blabbermouth
Senhor responsável por leads únicas...

Tás bem Cornell?

Já ouviram o tema homónimo do novo álbum? "Sream" é tão rasca tão rasca que eu ainda não me acredito no que aconteceu a um dos ídolos da minha adolescência.
Soundgarden foram brutais, Cornell a solo no Euphoria Morning também rodou bastante, Audioslave era excessivamente mainstream mas não considero que tivesse sido algo negativo, mas ultimamente o homem anda com os fusíveis avariados. Não digo que não se experimente coisa novas evitando assim a repetição, nem quero os Soundgarden de volta, mas Chris Cornell a soar a Old Republic NÃO obrigado. Preferia não ter ouvido, que tristeza...

Marnie Stern

Vocês olham para esta foto e ficam a pensar de que telenovela é que ela saiu, certo? Pois, eu também. O que vocês não sabem é que esta miúda arrasa com a guitarra. Duvidam? Espreitem o último álbum "This Is It and I Am It and You Are It and So Is That and He Is It and She Is It and It Is It and That Is That", ela dá-nos uma coça. Ah, adivinhem quem a acompanha na bateria? Zach Hill, pois claro. http://www.myspace.com/marniestern1

Katabatic na Loud!

19 Fevereiro, 2009

Tombs - Winter hours, streaming now

E nem precisam de se esforçar para ouvir este primeiro manjar integral dos Tombs com uma qualidade decente. Basta que cliquem aqui. Para verem o vídeo da Gossamer é aqui.
Há uns largos meses atrás fiquei agradavelmente surpreendido com a mistura que ouvi no primeiro EP, os tons negros e sombrios do artwork que ilustrava esse EP tinham a correspondência sonora adequada, em diferentes dosagens serviam-nos diferentes formas, sludge, industrial, black metal, doom, shoegaze, hardcore, post-metal... Esta estreia pela Relapse parece-me semelhante na intenção, mas servida com mais requinte. Os temas são muito variados, uns mais up-tempo com blastbeats frios a cortar outros mais compassados e ambientais, com alguma melodia a iluminar o noise sem necessidade de se embrulharem em esquizofrenias desconexas. Como se os estilos não fossem suficientes, podem-se continuar a mencionar nomes como Neurosis, Cursed, Swans, Jesu, Mastodon, Killing Joke, para compreender a abrangência de influências, mas as experiências que estão a cultivar prometem-lhes granjear reconhecimento pela autenticidade daquilo que fazem. E para andarem na estrada na companhia de Pelican e Wolves in the Throne Room só podem ser boa gente!

Big Business: "Mind the Drift" em Abril

1. Found Art
2. Gold and Final
3. Cats, Mice
4. I Got It Online
5. The Drift
6. The Ayes Have It
7. Cold Lunch
8. Theme From Big Business II

www.myspace.com/bigbigbusiness

"A Woman, A Man Walked By"

A Filter Magazine já ouviu o novo álbum entre PJ Harvey e John Parish e avança com as primeiras impressões do mesmo. Leiam aqui: Filter
Entrento, ainda não há novidades dos bilhetes para o concerto de ambos no Porto.

Amanhã tb, no Maus Hábitos

Esta é outra excelente proposta para amanhã e será a minha escolha caso possa ir. Os Dr. Filth não conheço, mas os Without Death Penalty que lançaram no ano passado o promissor EP Confine your dreams to your pillow, são os Interpol do post-hardcore e, como se sabe, farão a primeira parte do "nosso" concerto de This Will Destoy You, enquanto os I Had Plans que também lançaram no ano passado uma demo com arcaboiço e qualidade suficientes para ostentar outro título, apresentam-se no Porto pela primeira vez. Não fiquem em casa, são apenas €2!

http://www.myspace.com/ihadplans
http://www.myspace.com/withoutdeathpenalty

Stoner Rock Festival: amanhã!!!!

17 Fevereiro, 2009

Supersonic 2009

Onde: Birmingham, UK
Quando: 24, 25 e 26 de Julho
Primeiras confirmações: Head Of David, Zu, Jarboe, Earthless, Flower/Corsano Duo, Genghis Tron, Growing, Master Musicians Of Bukkake, 65daysofstatic, PRE, Pontiak, Venetian Snares, Caribou, Cave, Diagonal, Theo
Obs: Ryanair voa do Porto para Birmingham

De que álbum é?

Secret Chiefs 3: DVD a 3 de Março

16 Fevereiro, 2009

Olha o novo DOPO!!!

Pelican em estúdio com um convidado...especial


13 Fevereiro, 2009

Cloudkicker

The Discovery [2008]

The Map Is Not The Territory EP [2009]

Eh pá, oh Adriano, obrigado por aconselhares este portento ali no post dos Sgt. Estou a adorar tanto o álbum como o EP. Numa definição simples, isto soa a um instrumetal polirrítmico à la Meshuggah encorpado por melodias maciças que preenchem o éter ao estilo da Devin Townsend Band. Sem voz e com uma dinâmica primorosa. Tudo - "guitars, bass, drum sequencing, tracking, mixing, mastering, and cover art" - criado por um único indivíduo, Ben Sharp. Estas obras merecem e devem mesmo ser partilhadas, até porque é o autor que o deseja e encoraja. Nas Liner Notes que acompanham os .rar Ben Sharp escreve: "this album was recorded for a grand total of $0, and is therefore being distributed for free. if you paid money for this you're a sucker." "distribute this anywhere and everywhere you see fit. give credit where credit is due."
Saquem e partilhem, já!

Download:

Contact info:

Novo SY a 9 de Junho

1. Sacred Trickster
2. Anti-Orgasm
3. Leaky Lifeboat(for Gregory Corso)
4. Antenna
5. What We Know
6. Calming The Snake
7. Poison Arrow
8. Malibu Gas Station
9. Thunderclap For Bobby Pyn
10. No Way
11. Walkin Blue
12. Massage The History

SunnO))): o novo álbum começou assim




Resultados do jogo

1) Kyuss 2) Killswitch Engage 3) Gnaw 4) John Zorn 5) Isis 6) Maserati 7) PITA 8) Lamb of God 9) Rome 10) Wolf Eyes 11) Skip James 12) Gojira 13) Harvey Milk Resultado:
Rio Grrrl: 4/39
Susana: 10/39
Nasum: 8/39
mute_suds: 3/39
Valter: 16/39
Scapegoatt: 3/39
Crestfall: ZERO/39
Saturnia: 20/39
celtic: 32/39
joão: 3/39

20 melhores: África

Artigo interessante sobre músicos/grupos africanos que valem a pena descobrir.

Ler

12 Fevereiro, 2009

Callisto, versão 2009

Tal como se antecipava isto está bem diferente, sem dúvida. Num salto incomparavelmente maior do que aquele dado do True Nature Unfolds para o Noir. A predominância das vocalizações limpas e melódicas não deve constituir surpresa para quem já tinha ouvido a Covenant colours no myspace há uns meses atrás. Há momentos em que me lembra Layne Staley dos Alice in Chains, noutros o Mike Patton por alturas do The Real Thing, e o fantasma de Matthew Bellamy dos Muse também paira por aqui, além de ser capaz de me lembrar outras coisas que não consigo enumerar. Isto não quer dizer que não tenha personalidade, e até é um elogio, o meu problema é com a quase completa apropriação e controlo que a voz tem sobre a condução dos temas. Há alguns momentos poderosos em alguns temas como Stasis ou Drying mouths, mas são a excepção, e no geral senti a falta de partes instrumentais mais alongadas e intensas. Não estou no entanto a afirmar que Providende é um mau disco, nada disso, quando ouvi a Covenant colours no myspace achei-a bem mais insossa do que agora no contexto do álbum, é um disco para crescer, e é um disco com alguns méritos, principalmente o de se arriscar a seguir numa direcção distinta da carruagem post-metal.

Godflesh de regresso aos palcos??!!

Acabei de saber que é muito provável que os Godflesh toquem no próximo Supersonic em Julho!!!

Universal Tongue: distribuidora

A UT do nosso amigo Sobral já não se fica pelas deliciosas edições em 3". Depois de também se ter estreado nos Pro-CD com os Nivathe, o último passo é a distribuição. Através do blog podemos encomendar álbuns de bandas como os Corrupted, Fauna ou Monarch por preços muito acessíveis. Espreitem aqui: Universal Tongue

CaixaPirata

Porque a divulgação ainda passa pela rádio...
Como Tudo começou: A divulgação de boa música não escolhe idades ou lugares. É com este propósito que surge esta parceria. Expliquemos: Em Março de 2007 3 jovens amigos residentes em Paços de Ferreira, uma pequena cidade conhecida como "Capital Do Móvel" localizada a cerca de 40 quilómetros do Porto, cansados da apatia e baixa cultura musical demonstrada pela maior parte das pessoas e promulgada por quase todas as rádios portuguesas, decidiram criar um modesto programa de rádio na "Radio Clube Paços de Ferreira" denominado "Caixa Pirata" que tinha como objectivo a divulgação de boa música, independentemente do género musical ou o facto de ser conhecido ou desconhecido da maior parte dos ouvintes, sendo que a aposta principal do programa passava pela música dita alternativa (englobando todos os géneros, desde o "minimal ambient" ao "doom metal" passando também por "free jazz" e "avantgarde") e música electrónica (passando desde o ambient ao house mais progressivo). Entretanto com o passar do tempo e motivado pela substancial diferença de géneros musicais entre os dois programas, o "Caixa Pirata" transformou-se em dois programas, adoptando os nomes de "Indiefrente" e "Caixa Electrónica" mas mantendo a mesma filosofia que sempre regeu o programa desde a sua primeira edição, pois a separação em dois programas permitiu dar mais liberdade a nivel de generos, pois a musica é infinita em toda a sua extensão.