25 maio, 2010

Can you hear me now?

Uma voz baixinha martelou o dia todo, "tens que ir, tens que ir, não os podes perder!"
Consegui resistir-lhe por umas boas horas.
O bunker de sempre, não me parecia o certo para a descarga e o bolso arejado não me dava margem.
Cruzei-me com eles já por duas vezes, e uma terceira está por dias.
Mas quero mais, e mais ao perto!
Ao cair da tarde, uma oferta das boas.
Só o sim é resposta!
Deal!
Chegámos cedito, queríamos sentir o cheiro do palco!
Vimo-lo mais subido, ao centro o kit de bateria vestido com uma redoma de acrílico.
Haverá palavra menos rock n' roll que acrílico?
Seria o bateras um animal possesso, do qual tivessem que nos defender?
Quatro senhores entradotes sobem ao palco. O de roupita de trekking na Serra de Sintra assalta o micro e retenho o seu "1, 2, 3, party!".
Apareceu só para nos dizer ao que iam, não volta ao palco.
O João não perde tempo, já traga na botelha do Red Label.
E eu estou com ele, pois então!
O senhor com as calças mais foleiras daqui a Tóquio é quem agora cospe ao micro, dispara a cartilha do pós-punk com a certeza de quem sabe da poda a rodos.
O pai da tua ex-namorada, aquele que te passou uns discos porreiros, desanca no Fender Jazzmaster mais coçado que as calças que mais amas.
O bateras tem afinal o ar daquele amigo que encontras sempre no pub e com quem acabas sempre por virar mais do que a tua conta.
Estes senhores fazem-me gritar de punho cerrado, letras que mal conheço.
Bailamos em Luxúria-Canibal mode e tragamos uma e outra vez.
A findar, atiram Revolver.
Atiram no alvo!
"Party", disse o gajo!
Pois sim, dissemos nós aos Burma.
Gramo o aconchego e o quentinho, mas a sala ardia!
Foda-se, os Shellac pisavam agora o palco desenrolando cabos e afins pré-gig.
O Albini com o seu ar de geek com um fato-macaco de cable-guy e o Todd com o ar mais esgazeado do mundo e arredores, que quadro!
Bob dá ares de lazy dude e batia uma soneca poucos minutos antes.
A guitarra de Albini corta qual naifa aguçada a cada riff, cada acorde de Bob no baixo é um punhetaço forte nos queixos a gritar knock-out. Todd toca com os pauzinhos ao contrário o tempo todo, só para nos desmanchar ainda mais!
Às tantas param, deixam-nos respirar um pouco e até fazer algumas perguntas.
Bob vai respondendo.
Às tantas, um popular pergunta se acham que alguém lhes fará uma boa pergunta.
Bob responde que não lhes interessa, que só param para que os instrumentos retomem o fôlego.
Albini diz que as perguntas são boas, que têm dado para boas respostas.
Pensamos que nos grama, mas voltam para nos arrear à valentona.
Quando quase não nos mexemos, deixam-nos ir.
Saímos bem amassados, qual casqueiro no forno-a-lenha da avó.
Da próxima, levo a redoma comigo!

(foto de João 'Party Animal' Ferreira)

5 Comments:

At 26.5.10, Blogger forass said...

Vi em Serralves. FOI, FOI... MESMO MUITO BOM!!!! MUITO BOM!!!

Quero desde já agradecer a vós pela paciência e por terem esperado 10 anos. MUITO OBRIGADO! :)

Fui dos poucos que estava de pé na plateia. :) MUITO BOM!


Pode ser que tb gostem de NOMEANSNO e tenham a mesma paciência para os trazer cá. ;) Quiçá!

Obrigado e abraços!

 
At 26.5.10, Blogger ::Andre:: said...

Daniel, esta é a melhor crítica de sempre e com os devidos ajustes servia também para descrever o que ontem se passou em Serralves. Belo!

Mal possa abro post com fotos e isso :)

 
At 26.5.10, Blogger ::Andre:: said...

10 era uma espécie de hipérbole forass, a Amp ainda nem 4 tem, mas há uns cinco (e a Mouco mais) é bem capaz. Anyway, ainda bem que curtiste e obrigado por teres ido :)

 
At 26.5.10, Blogger Scometa said...

Excelente review! Os concertos em serralves foram simplesmente brutais!

 
At 27.5.10, Blogger Ponto Alternativo said...

Menos gole, mais gole, é uma descrição do catano!!! tenho de aprender a ser mais certeiro como tu... http://opontoalternativo.wordpress.com/2010/05/27/shellac-mission-of-burma-zdb-24-maio-2010/

 

Enviar um comentário

<< Home