14 julho, 2011

FORGOTTEN WOODS: Marginalmente primitivos.

Uma banda de black metal mesmo fixe, que me tem dado a satisfação de se ter mantido relativamente desconhecida ao longo dos anos, é Forgotten Woods.

Com a recente contratação do bicha das fadinhas é possível que a situação possa vir a mudar, mas os 3 marcos de crueza+beleza que lançaram até ao dia presente são uma excelente panaceia contra a recente vaga de blackmetal mariquinhas vigente (que por sua vez substituiu a anterior vaga de blackmetal maricas).

Uma primeira caracterização passaria por dizer que as canções são repetitivas quanto baste -elemento essencial para repudiar à partida os ouvintes de fraco ouvido - mas cheias de subtilezas que recompensam o esforçado e curioso amante das artes d'O Grande Bode.


Se não bastava a referência a "bosques" no nome, teriam de ter também um álbum com "lobos" no título. As the wolves gather leva o ouvinte através de leads de guitarra obviamente burzumescos, linhas de baixo a pulular acima dos restantes riffs da geladeira nórdica e de vozes literalmente ecoantes (pormenor que espero que vos irrite especialmente) ao longo de progressivos degraus de "repetição" até uma atmosfera melancólica nocturna e invernal perfeita (podem trocar a ordem dos adjectivos como melhor vos aprouver).



Por sua vez, The Curse of Mankind traz-nos canções ainda mais repetitivas, ainda mais longas, ainda mais aborrecidas e ainda mais cheias riffs triunfantemente gelados. De lado ficaram os piropos varguenses e o eco chateador para dar lugar a uma carga aniónica (negativista, lulz) que lhes passa a conferir uma identidade própria que os separa de vez do "resto", e que lhes garante lugar na Bíblia do (Black) Metal chuiffidal (o primeiro Evangelho é Bethlehem, do segundo já não me lembro).
Uma consequência inesperada disto é um certo piscar de olhos a uma estranheza que aparenta vir do nenhures; ou então, quiçás, virá do já notório historial de bad trips de adolescentes noruegueses do campo com ácido minado (não confundir com acid mine drainage)



Como boa banda norueguesa margino-genial que são, ficaram parados por aí e resolveram voltar apenas uns 10 anos depois (sem contar com Joyless). Em vez de amariconarem no Race of Cain, único álbum lançado na década transacta, resolveram apostar numa ainda maior simplicidade (um qualquer intelectualóide inseriria "punk-ish" algures por aqui), reduzindo substancialmente a duração das canções para projectar mais além a essência da crueza, odieza e da rudeza num verdadeiro hino niilista ao Grande Bode em versão ultra-lo-fi.
Aviso à população: a expressão "sieg heil" é repetida no versão da última cantiga, mas antes da habitual salivação hiperbólica, os tipos não são fãs do nacional-sozialismo pretendiam apenas transmitir a mensagem de crítica social à hipocrisia da Ig who cares.

9 Comments:

At 14.7.11, Blogger Pickles said...

Porque é que não trazem mais concertos de black metal gente?

 
At 14.7.11, Blogger vera viana said...

Obrigada, JHP. Gostei.

Em resposta ao Pickles - suponho que a malta da Amplifica não é, propriamente, fã de black metal...

 
At 14.7.11, Blogger Rodolfo said...

sendo até adepto do grande bode, confesso que o bm nunca me entusiasmou por aí além mas tenho gostado de ver estes textos - e da maneira como estão escritos - porque me têm dado a possibilidade de conhecer bandas e histórias que me escapariam pura e simplesmente.

estes Forgotten Woods são um desses exemplos e confesso que até simpatizei com a música do primeiro vídeo, embora me tenha recordado duas coisas (bastante gós por sinal).

Sisters of Mercy

http://www.youtube.com/watch?v=QLtmvEMVKV4&feature=player_detailpage#t=45s

e Christian Death

http://www.youtube.com/watch?v=Z8TTVAQU4oA

não que a música seja igual, mas tem uma "vibe" similar embora a dos Forgotten Woods seja numa toada mais épica :)

a última, podia ser punk-ish qualquer coisa sim senhor, se colocassem umas vozes mais "sensíveis" como a dos Greenday por exemplo...

isso dos sieg heils... é típico do bm não? como na cena neofolkeira digo eu...

o pessoal curte flirtar com o reich porque é chocante, ou porque as fardas são bonitas, ou porque são pagãos ou cristãos conservadores, ou seja lá pelo que for mas depois, quando questionados é quase sempre uma questão de "comentário social", de "jogos semióticos" ou de qualquer coisa do tipo...

anyway, jhp: dá-lhe e continua a elucidar-nos sobre os ainda mais obscuros dos obscuros.

 
At 14.7.11, Blogger J H P said...

Há uma data de intervistas onde o Rune e/ou o Olav explicam a razão pela qual isso está para lá metido e está longe de ter sido pelo chock value ou por uma qualquer dissonância cognitiva típica das bandas de NSbm da Europa de Leste

Tendo em conta que na própria música (a última do álbum) está presente uma sample de uma entrevista do nojento do Bob Larson, mais o clima geral de "intolerância" do álbum, até acho que encaixa muito bem. ´


Obrigado ;)

 
At 14.7.11, Blogger Scometa said...

Enganas-te Vera. A malta da Amplifica até ouve bastante Black Metal. Tudo a seu tempo, não nos vais ver muito provavelmente a organizar Satyricon ou Mayhem, ou Black Metal das Cavernas. Queremos ter a nossa posição sem tirar a posição a outros.

 
At 14.7.11, Blogger vera viana said...

Eu sei de que black metal é que vocês gostam, Scometa, e respeito bastante as vossas opções, como sabes. Mas nunca me pareceu que o black estivesse nas vossas prioridades.
E, já agora, em vez de Satyricon ou "Black Metal das cavernas" (?), espero poder, um destes dias, ver a Amplifica a anunciar WITTR (novamente), Krallice, Cobalt, Liturgy...

 
At 15.7.11, Blogger Scometa said...

Como se costuma dizer, quem espera sempre alcança :D

 
At 15.7.11, Blogger Neuroticon said...

Os Cobalt tocam ao vivo?

Por acaso, deve ser o projecto recente que mais gosto no que diz respeito a BM :)

 
At 15.7.11, Blogger ty said...

Eu tenho de ver Liturgy urgentemente.

 

Enviar um comentário

<< Home