25 janeiro, 2008

Meshuggah - ObZen [2008]

Os Meshuggah não são o prato mais simples de digerir, é tão fácil encontrar quem os adore como quem os odeie, ou o que pode ser mais polemicamente interpretado como quem os compreenda e quem não os compreenda. Uma coisa é certa, são muitos os músicos [novos e velhos] que os citam como influência e não se coíbem de integrar ritmos sincopados e compassos de marca em composições suas. Até os Metallica aquando das gravações do St.Anger afirmavam andar a consumir algumas doses de Meshuggah e que isso até se poderia vir a repercutir no disco [tá bem tá!].
Quando o Destroy Erase Improve rebentou em 95 eu não lhe dei grande atenção, isto para não dizer nenhuma. Se bem me lembro achei aquilo que ouvi uma monotonia pegada com chuga-chuga de exagero. Só depois do Chaosphere ter saído e o New millennium cyanide christ ter feito moça, é que comecei a absorver aquela estranha cadência frenética de ritmos fracturantes, envolvidos em duras doses de complexidade e brutalidade. A entender que aquilo que ao principio me parecia algo com pouco nexo, demasiado repetitivo e massacrante, fazia todo o sentido. As sinergias resultantes da convergência entre o thrash, o industrial, o math-rock, o progressivo, o post-cyber, e outras espécies que tal, definiam um universo polirrítmico selvagem, ultra hipnótico e absorvente. E a cada nova exploração e máquina insiste em experimentar outros níveis de peso e novas texturas, como aconteceu com a elasticidade incineradora de Nothing, e posteriormente com o memorável tema [I] de 20 minutos que pode ser dividido em várias partes distintas, e um conjunto de 13 [Catch Thirty Three] partes distintas que podem ser compreendidas como um todo.
Eis-nos em 2008 perante ObZen, e eis que a progressão se dá para trás, para a frente, para os lados e transversalmente, eis um compêndio das dimensões Meshuggah. E como os Meshuggah soam apenas e exclusivamente a eles próprios, qualquer que fosse a forma do conteúdo, revisão detalhada da matéria ou novas lições exploratórias, dificilmente sairia algo decepcionante.
O início do disco ao ritmo thrashado de Combustion até consegue invocar o impacto mais directo de Contradictions Collapse mas encorpado por uma maquinaria muito melhor oleada e ornamentada por um solinho de pinta. É dificil destacar temas num disco que tem rodado em continuo nos últimos 4 dias, mas adoro o constante martelanço da Bleed, o assombroso groove e o peso avassalador da Obzen, as mutações em cadência muito Nothing de Lethargica, e a vejam-só-como-nós-manjamos-desta-merda-e-podiamos-estar-aqui-durante-2-horas-que-isto-continuaria-a-ser-interessante-mas-em-vez-disso-ficamos-por-apenas-10-minutos-porque-o-disco-tem-que-acabar-e-para-a-próxima-haverá-mais-do-bem-bom que finaliza o álbum, e ainda por cima é primorosamente intitulada de Dancers to a discordant system.
Este disco é fascinante, talvez não tão "à frente" quanto se pensaria ou poderia esperar, mas serão precisos muitos lançamentos extraordinários para que ele não figure, pelo menos, no meu top 5 do ano. Ah, falta-me perceber se há algum tema conceptual por detrás deste ObZen...

14 Comments:

At 25.1.08, Blogger João said...

entao nao esta "á frente" safa k bruto o disco

 
At 25.1.08, Blogger nómada onírico said...

Para mim é uma tremenda decepção.
Após sucessivas audições,(em entusiasmo decrescente),concluo com pena de que se trata de um disco comezinho,o que em Meshuggah não é de maneira nenhuma aceitável.

 
At 25.1.08, Blogger celtic said...

este ainda não me bateu..

 
At 25.1.08, Blogger Crestfall said...

olha, se calhar é por não estar tão à frente em termos inventivos que o nómada o considera uma decepção... Mas isso para mim é irrelevante, as músicas são muito fortes e nem encontro uma única que esteja ali apenas para encher.

 
At 25.1.08, Blogger Pedro said...

Gosto muito do Catch Thirty Three e sobretudo do EP I que é magnífico. Irei ouvir este novo trabalho..

 
At 25.1.08, Blogger naSum said...

é Meshuggah!!! e mais nada \oo/

comentário aparte: as letras do teu texto saiem fora do blog. sou o único? lol

 
At 25.1.08, Blogger nómada onírico said...

Crest,quando a banda em questão dá à luz uma nova oferenda,esperas algo assombrosamente alienígena que te revolva as entranhas e que provoque orgasmos sinápitocs sucessivos.Em relação aos bons discos de outros grupos que certamente irão ser lançados durante 2008,este surge destacadíssimo do pelotão,mas peca por defeito no que diz respeito a lançamentos anteriores do catálogo Meshuggah.
É demasiado familiar e soa a disco "vamos picar o ponto,para que não haja um suicídio colectivo dos nossos fanáticos por esperarem demasiado tempo por um trabalho nosso". É um facto que no dito figuram grandes malhas,mas são a excepção,não a regra. As que mencionaste são precisamente também as minhas favoritas.Mas o regresso saúda-se com algum prazer.
Espero vê-los num palco luso de um qualquer festival de verão urbano.

 
At 28.1.08, Blogger Crestfall said...

Pode ser que eles venham ao RiR e eu tenha que vender a minha T-shirt do "Eu não fui".

nas, aqui não sai nada por fora :-p

 
At 28.1.08, Blogger João said...

olha que o nasum tem razao tudo por fora aqui

 
At 28.1.08, Blogger Crestfall said...

ahhhh lol, já entendi, é o firefox :-\

 
At 29.1.08, Blogger ::Andre:: said...

ainda só ouvi a "bleed" e para trás pouco conheço. a verdade é que também não estou com muita vontade, talvez um dia...

 
At 29.1.08, Blogger Mastodon said...

PRAVUS que grande musica fdx o riff inicial entra mmo num gaijo so apetece andar a mocada

 
At 29.1.08, Blogger Crestfall said...

Podias-me ter surpreendido André!

 
At 29.5.08, Blogger Ruy said...

olha galera o meshuggah é a banda mais original q eu ja ouvi! diferente de tudo não é o q mais me atrai, mas sim esse estilo pesado sincopado e que dá nó nos ouvidos dos "tradicionais" mesmo 4/4 seeeeeeeempre !! quem conceguir comtar os compassos e divisões ganha um premio ! a certeza q entende meeeeeeeesmo de musica e não de tv !

 

Enviar um comentário

<< Home