25 julho, 2008

Rapidinhas...

Birushanah - Akai Yami [Level Plane Records 2007]
Temos estes japoneses de Osaka já praticamente confirmados para uma data única em Portugal e estou super super entusiasmado, mas sobre isso falamos em breve. O que interessa agora é partilhar aqui com a malta o fantástico álbum que este “Akai Yami” é. Temas sludge/ doom mais monstruosos, insanos e poderosos que todos os godzillas juntos. Imaginem o peso dos Neurosis, a energia dos Envy, a percussão metálica de uns Einstürzende Neubauten e conseguem ter uma pequena ideia. Exacto, pequena. É que se a isto juntarmos elementos da música tradicional japonesa então temos uma banda única. Sublinhe-se única. Guitarra em escalas pouco usuais, dois baixos, bateria e uma percussão tribal japonesa a contrastar com as vozes por vezes agressivas, fazem deste um álbum cheio de identidade e personalidade, um dos melhores e originais álbuns que ouvi nos últimos tempos. Mais, os Birushanah têm no seu “line-up” o senhor Shibata que é como quem diz o ex baixista dos Corrupted. Resumindo: fãs de Corrupted, Sunn O))), Zeni Geva, Godflesh e música genuína é favor comprar, sacar ou roubar o álbum pois está simplesmente brilhante.

Envy & Jesu - Split [Hydra Head 2008]
Duas excelentes bandas numa excelente editora só podia dar um excelente disco, é mesmo daqueles que sabemos que vai morar lá em casa mesmo antes de o ouvirmos. Mas, a verdade é que talvez tenha sido uma oportunidade desperdiçada. Os Envy aproveitaram para fazerem um “showcase” da sua música. Nos três temas que aqui apresentam consegue-se ouvir o seu hardcore mais antigo, o seu assalto ao pós-rock e as suas electrónicas mais espaciais. Já o Justin Broadrick e os seus Jesu parecem ter aproveitado algumas ideias que sobraram por altura do “Conqueror”. Longe vão os tempos de uma “Friends Are Evil”, agora o feeling é outro. São dois bons temas – “Hard to Reach” e “The Starts That Hang Above You” – mas que só servem para antecipar o álbum que está quase a chegar.
Free Kitten - Inherit [Ecstatic Peace 2008]
Ainda não o ouvi decentemente, mas é importante dizer que estes Free Kitten representam o regresso, dez anos depois, da superbanda composta por Kim Gordon (Sonic Youth), Julie Cafrtiz (Pussy Galore), Yoshimi P-We (Boredoms), Mark Ibold (Pavement). Alguém?

Made Out Of Babies – The Ruiner [The End 2008]
Eis uma banda que não me entusiasmava nadinha. Vi-os uma vez ao vivo, mas a razão daquela noite era outra e passaram-me quase ao lado. Medíocres, temas fraquitos. Pois agora a minha opinião sobre eles mudou. Ignoro praticamente o que está para trás, e admito com um sorriso nos lábios que este The Ruiner é um grande álbum tal como ele tem que ser. Menos musculoso e mais cerebral que os anteriores, a banda que costumava editar pela Neurot lança aqui o início de uma grande carreira, espero. Ainda por cima, têm uma vantagem: Julie Christmas, a mesma que nos seus concertos admite ser confundida com uma prostituta quando se passeia pela “venue”. O metal ainda está cheio de preconceitos e ideias pré-fabricadas, quem dera que houvessem mais Julies, fazem falta. A voz dela é simplesmente genial, bela e bruta, mas apesar do enormíssimo destaque que ela merece, é no seu todo que o álbum vale. Mais um disco desta qualidade e estão na Relapse. Vai uma aposta?
Mouth Of The Architect - Quietly [Translation Loss 2008]
E por falar em Julie Christmas, sabiam que aquela belíssima e arrepiante voz no tema “Generation of Ghosts” é dela? Bem, mas chega da Júlia porque se há álbum que merece ser destacado então este é o escolhido. Os MOTA estiveram para acabar, aliás, eles chegaram mesmo a acabar, mas por razões que só eles sabem, decidiram voltar a compor (talvez sem um ou outro membro) e, Senhoras e Senhores, eis não só o melhor álbum da carreira como um dos melhores álbuns de metal do ano. Poupem-me o “não traz nada de novo” e outras bocas preguiçosas, com este álbum os "arquitectos" acabaram de passar para um patamar diferente e mais exigente. Vão-se aguentar? Vão ter a audiência merecida? Deixemo-nos de futurologia e toca a carregar no play outra vez. Pós-metal/ sludge atmosférico ao nível de uns Isis ou Cult of Luna. Simplesmente deslumbrante.

Nadja & Black Boned Angel - Christ Send Light 3'' [20 Buck Spin 2008]
Campbell Kneale é um daqueles músicos que adorava trazer cá nem que fosse para tocar em casa. Os seus “alter-egos” Birchville Cat Motel e Black Boned Angel são muito interessantes, principalmente o primeiro, e seria um prazer ter por cá o desconstrutivismo deste professor neo-zelandês. Até esse dia chegar, o que não vai faltar é música nova, tanto dele como dos dispensam-apresentações-são-a-melhor-banda-a-sair-do-Candá-na-última-década Nadja. No entanto, quem está à espera de mais barulho bom mergulhado em drone vai ficar muito surpreendido com estes vinte e um minutos. Não quero deixar nenhum spoiler, mas digo-vos isto: quem dera ao Panda Bear….

Red Sparowes - Aphorisms EP [2008]
Não há dúvidas que o pós-rock instrumental está saturado, mas tal como já referi, aquilo que é bom é sempre bom. Os Red Sparowes foram bons com Josh Graham, os Sparowes continuam a ser bons sem o Graham e a única diferença é que as capas passaram a ser péssimas. Agrada-me esta nova direcção mais crua e menos ambiental, afastada de clichés baratos. Ao contrário dos álbuns anteriores, nenhum tema chega ao ponto de nos arrepiar, mas é sabido que este EP é apenas um aperitivo para o grande álbum que aí vem.

Transitional - Nothing Real, Nothing Absent [Conspiracy 2008]
Transitional é um novo projecto que une o produtor Kevin Laska e o colaborador habitual de Broadrick Dave Cochrane (Jesu, Grey Machine), ou seja, é a oportunidade de ambos se mostrarem sem ninguém a fazer sombra. O resultado é uma palete de electrónica ambiental com linhas de baixo envolventes em camadas de guitarra. Não deixa marcas, mas por mim estão aprovados e vou continuar atento.

10 Comments:

At 25.7.08, Blogger André Forte said...

realmente, longe estão os tempos em que as capas dos sparowes eram deveras boas...

 
At 26.7.08, Blogger João said...

birushanah está fixe, nao percebo onde vais buscar sunn o))) nem corrupted no entanto. o som das guitarras podia tar melhorzinho, mas overall está fixe.

acho que a fase anterior dos red sparowes estava menos afastada dos clichés, o uso mais presente do pedal steel dava-lhe um som mais proprio num estilo em que é tudo muito igual...

nadja com black boned angel está bom mas estava a espera de mais, dai nao me ter puxado tanto.

tambem quero mais julies :D

o split tambem nao me mexeu muito.

 
At 26.7.08, Blogger Joana Coimbra said...

nao gostei mto do split envy/jesu até pq nunca fui mto a bola com os envy, o ep de red sparrowes achei fraquinho, gostei de mouth of the architect e se clhr vou mesmo ter q ouvir made out of babies.

 
At 27.7.08, Blogger Pedro Nunes said...

Já te adiantaste nos Birushanah. :p Está aqui para ouvir.

Ainda não ouvi o split de Jesu e estou curioso com Free Kitten, mais pelo line-up.

Made Out of Babies será para ouvir. Mesmo não tendo achado nada de especial o disco anterior.

Lol tu e o Panda Bear...

Fiquei curioso com Transitional.

 
At 28.7.08, Blogger João said...

ahaha eu perdi o intresse em free kitten exactamente pelo line-up, já estou farto de side projects da yoshimi desintressantes :\

 
At 28.7.08, Blogger Crestfall said...

Red Sparowes está Red Sparowes. É muito igual, é verdade, no entanto gostei dos 3 temas.

Acho que as bandas se complementam muito bem neste split Envy/Jesu. Esta abordagem mais electrónica não é nada de fenomenal mas a base mais aligeirada destes temas acabou por me surpreender positivamente.

Ainda não me convences com esta do Quietly ser o melhor disco dos MotA. Falta aqui uma Baobab ou uma Harboring an apparition. Agora que é um bom disco, é :p

Já andava curioso por Transitional e Biru tá ali para ouvir.

 
At 28.7.08, Blogger Crestfall said...

Oh André, realmente este The Ruiner está qq coisa... Estou a gostar bastante!

 
At 29.7.08, Blogger ::Andre:: said...

João, quem gosta de Sunn pode gostar de Birushanah, Corrupted ainda mais. É uma maneira de atrair as pessoas para algo, não tem que necessariamente soar igual.

Crestfall, o Quietly está fantástico!!! E sim, este "The Ruiner" tá do caraças ;)

 
At 30.7.08, Blogger João said...

interpretei difrente, my bad.

 
At 4.8.08, Blogger Crestfall said...

Oh pra eu a ouvir o Ties that Blind... E esta No one wished to settle here é linda.

 

Enviar um comentário

<< Home