10 fevereiro, 2009

Olha olha, é o Hymn To The Immortal Wind

Sim, mais um post sobre os Mono e o seu novo disco! Acho que já estou a exagerar nas audições consecutivas, fiquei completamente colado desde ontem, altura em que o ouvi pela primeira vez, e não me parece que esteja apenas motivado pelo encanto inicial. O quê que há para não gostar em Hymn To The Immortal Wind? Como é que a colaboração dos Mono com uma orquestra de 26 elementos poderia não resultar? Nada, e não poderia não resultar. A grandiosidade e o poderio desta colaboração são sentidos logo na abertura do disco com Ashes in the snow, tema que já tinha servido de avanço no Myspace. Sim sim, contém os estereótipos do post-rock à la Mono que eu tanto gosto e ainda por cima em brutal harmonia com a orquestra. O volume da percussão é intensíssimo e o reverb das guitarras em fusão com os arranjos de cordas é de arrepiar. Outros temas como Pure as snow ou Everlasting light demonstram a mesma dimensão avassaladora e empolgante, e se a delicadeza sempre se manifestou nas suaves evoluções dos crescendos, é na serenidade e beleza das orquestrações de Burial at sea, Silent flight sleeping dawn ou Follow the map que reside o maior desalinhamento face a trabalhos anteriores [não nos esqueçamos da colaboração com World's End Girlfriend]. No entanto, os proventos sentem-se em todas as notas e o mérito do impacto que vai para lá do campo auditivo é conjunto, mas é também uma capacidade que os Mono já possuíam. Globalmente o melhor trabalho dos Mono? Provavelmente, mas agora vou fazer uma pausa e deixar isto arrefecer um bocadinho [até amanhã].

14 Comments:

At 10.2.09, Blogger naSum said...

Gostei...Bastante...Mesmo

 
At 10.2.09, Blogger Tiago said...

Melhor trabalho de Mono.
Hoje já tive múltiplos orgasmos.

 
At 10.2.09, Blogger Zatoichi said...

Melhor album do ano. ´Nuff Said. Crestfall podes soltar a franga com este álbum pois é realemente de arrasar!!!! Tenho uma pena que eles não passem cá por Portugal!!!!

De uma intensidade alucinante, simplesmente o melhor album de post-rock que ouvi desde o Yanqui dos Godspeed. Épico não basta para definir este álbum!!!!

 
At 10.2.09, Blogger gangrena said...

Esse CD tá a vir contra mim de todas as direcções e eu ainda não o pude ouvir, raios parta!

 
At 10.2.09, Blogger Tiago Esteves said...

Já o ouvi uma qts vezes...os álbuns de Mono são para mim, cada um à sua maneira, o melhor de Mono. Não consigo eleger um álbum como o melhor e com este tb n acontece isso.

 
At 10.2.09, Blogger Scapegoatt said...

Ouvi-o ontem pela primeira vez. Tocou-me particularmente. Já tinha ouvido o tema de avanço, que me tinha deixado com baba na boca. Se não é o melhor, esta lá perto. É mesmo daqueles albuns que são dificeis de definir por palavras. Vou ter de o comprar :)

 
At 11.2.09, Blogger ::Andre:: said...

Começou a rodar, as primeiras audições estão-me a deixar encantado. Vou, sem dúvida, voltar a ler estas linhas daqui a umas duas semanas...

 
At 11.2.09, Blogger Pedro said...

:)

pedro nunes

 
At 11.2.09, Blogger ::Andre:: said...

Há uns meses postei o último tema deste álbum, lembram-se? Amplificasom muito à frente pá :P

 
At 12.2.09, Blogger ::Andre:: said...

Está mesmo muito bom este álbum, grande evolução.

Tiago, eu percebo o que queres dizer, mas o "Walking Cloud..." não me bateu nem metade do que o You Are There, por exemplo.

 
At 12.2.09, Blogger ::Andre:: said...

Terão sido os Mono a escrever as partes da orquestra? Estou curioso...

 
At 12.2.09, Blogger Tiago said...

Realmente é uma questão curiosa. No entanto, a evolução dos Mono neste disco é medonha. E começam a ficar cada vez mais mediáticos, parece-me.
Sem dúvida uma das melhores exportações do post rock, actualmente.

 
At 12.2.09, Blogger Tiago said...

Já agora, ao olhar para a capa deste Hymn, lembrei-me do Nevermind. :p

 
At 12.2.09, Blogger Tiago said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 

Enviar um comentário

<< Home