22 outubro, 2009

Russel Haswell - Second Live Salvage [Mego 2008]

Enquanto o novo "Wild Tracks" não aparece, decidi recuperar este disco.
Russel Haswell é um artista inglês que se movimenta pelas lides sonoras e visuais através de instalações e apresentações em galerias de arte, museus e afins. Este seu segundo álbum a solo via Mego - embora na sua discografia haja diversas colaborações com Florian Hecker, Aphex Twin ou Earth - é mais uma “compilação” de temas seus por esse mundo fora. Cada um é baptizado com a duração, ano, sala e cidade. E não é por acaso. É neste aspecto que a sua música se funde com a ciência, seja ela a geografia, a sociologia ou a antropologia. É interessante apercebermo-nos da interacção e dinâmica dos seus temas com o público conforme os espaços e as cidades. Se em Valência a sua música funciona como “adereço” no meio de um museu onde a audiência é passageira e faladora, em Estocolmo no “laboratório” Fargfabriken há um silêncio e respeito brutais. Já em Brighton, e sendo um tema mais ruidoso, sente-se um público menos tolerante e impaciente.
Russel dá então em Second Live Salvage um sentido fonográfico à experiência que propõe ao vivo. A sua música incorpora toda a ambiência à sua volta e mesmo sendo uma mescla de composição com improvisação não deixa de ser minuciosa e abstracta. Nos seis temas do álbum, Haswell mostra como o noise pode ser um espectro interessante e infinito sem que se pareça com feedback vomitado. Desmente todas as teses de que noise é barulho, prova como se constrói a desconstrução do mesmo de uma forma complexa mas variada, genuína e cheia de nuances. Tal como Sunn O))), é ao vivo que está a essência pois o seu som chega a ser táctil, é esculpido de forma a conseguirmos tocar nele. Ouvir com phones é então algo desaconselhável, os sons precisam de espaço.
Este é outro daqueles discos obrigatórios que deviam ser estudados. Ultrapassam barreiras, desafiam. É preciso parar um pouco e tentar perceber, deixarmo-nos envolver. É verdade que há probabilidades de sairmos devastados, mas quando recuperarmos já nos sentimos diferentes… para melhor.

2 Comments:

At 22.10.09, Blogger José said...

Grande disco!!!!!!!

 
At 23.10.09, Blogger Pedro Nunes said...

Gostei muito de ler. Por acaso ando com esse disco no ipod há umas semanitas.

pedro nunes

 

Enviar um comentário

<< Home