08 janeiro, 2010

Top 2009

A esta altura já estamos todos fartos de tabelas de discos. Eu incluí os meus vinte preferidos no top que está mais abaixo e partilho convosco algumas coisas boas de 2009:

Momentos Amplificasom
Earth foi transcendental; o abraço de Dylan Carlson; as projecções de Josh Graham; marquei demasiadas tours, mas com ou mais ou menos stress tudo correu bem; o primeiro Amplificasom Special no SWR dos grandes Veiga; o chat com o Rob dos Grey Daturas sobre as diferenças culturais e políticas entre Portugal e Austrália; o concerto de Minsk que não foi cancelado à última da hora porque o Sanford é um génio da engenharia; a colaboração com a JUB (abraço Jaime) donde saíram dezenas de concertos sendo que Caspian e L’Enfance Rouge ficam marcados musical e pessoalmente; os bolinhos de bacalhau na Ribeira com BJ Warshaw; a tarde solarenga com os Fuck Buttons; a Rita no Passos Manuel; o jantar oleoso em “Roma” com os Zu; o reencontrar com os A Storm of Light e Minsk em Panoias; o apoio do Carlos da Prime; o fim-de-semana para nunca esquecer com os Isis.

Momentos não Amplificasom
Jandek a dar uma seca deliciosa em Serralves; concertos Filho Único a 5€ na Culturgest com destaque para Stephen O’Malley e Joe McPhee; arranjar convite para P.J. Harvey na Casa da Música umas horas antes do concerto; as idas a Vigo que sabem sempre tão bem (Mothlite, Sir Richard Bishop, etc); a (re)confirmação que os festivais de Verão já não me dizem nada; a semi-desilusão ao ver Evan Parker pela primeira vez; o noise a sério com KK Null; comprar bilhete para o tenteto de Peter Brötzmann.

Cinema
A ante-estreia do fabuloso The Limits of Control no Curtas de Vila de Conde, foi O filme do ano; a prateleira de filmes de autor na Fnac Gaia; o Campo Alegre; a Casa de Animação; Californication; Arrested Development; Moon; Religulous; Woody-Vicky-Cristina-Barcelona-Whatever-Works-Allen; Where the Wild Things Are; Slumdog Millionaire; Gran Torino; Up, ; Seth Rogen, Béla Tarr, Tarkovsky, etc.

Leituras
Musicofilia de Oliver Sacks; Em Busca do Grande Peixe de David Lynch; Thoreau; Rimbaud; Husserl e muitos muitos pdfs.

Morfes
Sushi no Hocho; folhados de cogumelos no Paladar da Alma; scones no terraço da Rota do Chá; queijo grego.

Tecnologia
O mundo da Apple. Lugares
26º aniversário passado no Vertigo em Londres; os “bairros” Plaka e Monastiraki em Atenas; a beleza subtil de Salamanca; Sintra aprofundada; Porto!!

8 Comments:

At 8.1.10, Blogger Crestfall said...

Os Mmomentos amplificasom são <3.

"comprar bilhete para o tenteto de Peter Brötzmann." cheio de tesão de mijo!

Esqueceste-te do Lost? :p

Musicofilia? Houve um caramelo qualquer que me ofereceu esse livro. Pdfs??? Nãooooooo.

Nos morfes não te esqueceste da Pizza em Valbom?

O mundo da Apple ahah seu maçazinha.

 
At 8.1.10, Blogger António Matos Silva said...

"comprar bilhete para o tenteto de Peter Brötzmann." - já não há disto? :/

vou ver Jandek em Lisboa!

 
At 8.1.10, Blogger Tiago Esteves said...

André, fui ver o Where the Wild Things ontem. Se calhar se n fosse o trailer nc teria ido ver o filme. Aquele trailer com a Wake Up dos AF era qq coisa. Achei um filme mediano, estava sempre naquela, "qd é que vai acontecer qq coiss?". Acho que falta algum climax no filme. De resto fez-me recordar " A História Interminável" :D

 
At 8.1.10, Blogger  said...

também vinha perguntar do jandek, por causa do tal concerto em lisboa. vale a pena? já apanhei um vídeo da actuação dele em serralves mas aquilo não me aguçou muito o apetite. por outro lado, só ouço falar bem do homem...

 
At 8.1.10, Blogger Tiago Esteves said...

Eu acho que vale a pena ver o gajo. Não sou um conhecedor exaustivo da obra do homem, mas quero ver. Para além disso, para malta com menos de 30 anos, o bilhete custa 5€, por isso, é um bom motivo para ir ver :D

 
At 8.1.10, Blogger ::Andre:: said...

Ver Jandek é imperdível, é presenciar um momento histórico. Eu prefiro-o com guitarra, há albuns dele que curto mesmo, mas infelizmente foi um concerto ao piano o de Serralves... Valeu, vale sempre, foi tipo agridoce.

Acho que sim António, duvido que esgote. Eu é que quis tê-lo deste lado :)

 
At 8.1.10, Blogger António Matos Silva said...

acho que cá em lisboa vai ser em trio, com bateria e baixo à mistura... pelo menos assim ouvi dizer :) zé, aparece, mesmo não sendo conhecedor da obra - são mais de cinquenta discos - vai certamente valer a pena!

oh andré, e o preço do bilhete, quanto é? dá para reservar?

 
At 11.1.10, Blogger Crestfall said...

E o TEU top de discos, quero ver :p

 

Enviar um comentário

<< Home