05 março, 2010

Bring the noise!

Porque é que já não se faz hip-hop assim?

10 Comments:

At 5.3.10, Blogger António Matos Silva said...

eina pá, o que foste desenterrar! mas respondendo, porque depois desse hip-hop nasceu o nu-metal e não foi preciso estragar mais bandas de metal jeitosas ^^

beastie boys é mais giro, though!

 
At 6.3.10, Blogger Beep Beep said...

Pq a versão original é melhor!

 
At 6.3.10, Blogger Pereira said...

Como a acho péssima, não entendi se a faixa é usada como exemplo de hip hop bom ou mau =D

 
At 6.3.10, Blogger Susana Quartin said...

Realmente, Public Enemy é bom, mas essa música... :|. E há muito bom hip hop a fazer-se hoje em dia.

 
At 6.3.10, Blogger Badu Romi said...

Um dos melhores exemplos do género: banda sonora do "Judgment Night"! O filme não é grande coisa, agora a Banda Sonora vale definitivamente a pena!!

 
At 6.3.10, Blogger naSum said...

Bring the noiiiiiiiiiiise

 
At 6.3.10, Blogger Greenie said...

Felizmente que já não se faz hip hop assim. Continua no entanto a fazer-se bom hip hop, nomeadamente melhor que o mainstream da década de 90. É só "escavar" um bocadinho.

 
At 6.3.10, Blogger Ricardo Guimaraes said...

Fogo, há exemplos de hiphop actuais do caraças.

Basta conferir os Dalek, da editora do Mike Patton!

 
At 6.3.10, Blogger O Homem Que Sabia Demasiado said...

É uma questão de gostos: os Public Enemy fizeram, para mim, o melhor disco de hip-hop de sempre. "It Takes a Nation of Millions to Hold us Back" (1988), do qual extraí este "Bring the Noise", experiência (na altura) inovadora de cruzamento da linguagem hip-hop com metal. A imagem militarista do grupo, as letras incendiárias a apelar à revolução negra, os ritmos abrasivos hardcore (como nunca se tinham ouvido num disco hip-hop), a utilização inovadora dos samples (ruídos de sirenes, efeitos industriais, loops, discursos políticos, etc) o scratching de Terminator X, o fraseado rap fulgurante de Chuck D e Flavor Flav, a defesa da ideologia radical da raça negra proclamada por Malcolm X, tudo se conjugou para que este segundo álbum do grupo representasse um rasgo impressionante de criatividade sonora e estética.
Se há bom hip-hop actualmente? Sim, mas agora digam-me um grupo ou um disco que, nos últimos tempos, tenha conseguido idêntico feito.

 
At 7.3.10, Blogger Beep Beep said...

Com um radicalismo mais esotérico:

http://4.bp.blogspot.com/_6VyA7Iw-TtI/Sa3il-CJMOI/AAAAAAAAACw/kLteL2ZCAEk/s400/nms(nephlim+modulation+sessions)woe+to+thee+o+land+whose+king+is+a+child.jpg

E para radicalismo sério tens os discos do Immortal Technique.

 

Enviar um comentário

<< Home