22 setembro, 2010

Ciganos, esses larápios

É com enorme tristeza e temor que leio os comentários dos portugueses nos jornais online às notícias sobre a questão dos ciganos em França. Não se trata do julgamento sumário que é feito à comunidade, generalizando todos os ciganos como gatunos imundos, mas sim do ódio racial que exala desses mesmos comentários. Abandona-se o discurso ponderado para o uso de termos depreciativos de uma raça.

A questão é simples: quem quer que tenha razão, os ciganos são um povo. Um povo que sempre foi nómada (não, eles não vêm todos da Roménia). Não podemos simplesmente enviá-los de volta para a terra deles, porque a terra deles é em todo o lado.

Este clima de tensão racial, fruto da politica pós 9/11, tem vindo a crescer na última década, formando um vulcão emocional prestes a explodir. A isto acresce o crescimento da direita por toda a Europa, que teme perder a sua identidade para os imigrantes, e prefere a repulsa à inclusão, gerando conflitos raciais latentes.

Não são só os ciganos os alvos destes comentários. Vejam notícias sobre muçulmanos, esses terroristas que só comem halal e cujo desígnio é conquistar o mundo e subjugar os infiéis.

Nas palavras de Stephen Hawking, "The greatest enemy of knowledge is not ignorance, it is the illusion of knowledge"

11 Comments:

At 22.9.10, Blogger ::Andre:: said...

Estou contigo. Não há muito mais a dizer, apenas que estou mais curioso do que receoso sobre as consequências do que se está a passar: é limpezas étnicas, é a extrema direita a crescer um pouco em todo o lado..

Esta é a típica solução de um país que não governa prevenindo-se mas se tenta redimir a cada problema que encontra. Não, não podemos aceitar que os ciganos que vão para a França ou portugueses para uma Alemanha ou uns ucranianos para Portugal venham no sentido de em nada contribuirem e ainda terem direito a rendimentos. Isso não. Mas também não temos o direito de expulsar quem quer que seja.

Uma solução simples seria que cada emigrante, após um tempo de adaptação, tivesse que mostrar resultados num prazo a definir. Aquele que não conseguisse teria que ser deportado ou poderia ficar no país sem qualquer tipo de despesa para o estado. Pareço demagogo, mas numa exercício mais reflectivo poderia-se chegar a uma solução semelhante.

 
At 22.9.10, Blogger Pereira said...

é irónico ver isto acontecer no país do "Liberdade, Igualdade e Fraternidade"...enfim,os fascistas estão em todo o lado e França não podia ser excepção.

 
At 22.9.10, Blogger Tiago said...

Estamos na era de "vamos ficar acomodados, fazer o que é mais simples, e que se lixem os direitos/igualdade humana".
Eu leio estas notícias e lembro-me dos muçulmanos e todos os povos extremamente radicais que não vivem no século XXI e são completamente fechados, onde as mulheres passam por limitações ridículas, essencialmente, e as crianças não passam por uma educação correcta. É difícil mudar povos, massas e mentalidades, mas não vemos as organizações internacionais a tomarem medidas de jeito. É no mínimo questionável. E não me entra que no mesmo mundo que eu haja gente que viva desta maneira.
Depois levamos com estes tipos com as medidas menos dignificantes.

 
At 22.9.10, Blogger Scometa said...

Eu concordo que não se possa vir para um país para se viver dos rendimentos sociais. Mas a questão da imigração é bem mais profunda que isso, porque a maioria deles trabalha em condições desumanas, sem que lhes sejam reconhecidas qualificações e muitas vezes num ambiente claro de discriminação.

Quanto aos ciganos, é uma questão melindrosa, visto eles viverem num núcleo fechado com regras próprias. Mas o que se tem feito é olhar para o lado, bem mais do que tentar qualquer tipo de inclusão. Eu já conheci ambos os lados das comunidades ciganas, e a verdade é que, mesmo já tendo acampamentos mesmo ao lado de minha casa, nunca me roubaram nada, mesmo eu tendo a casa desprotegida. E já conheci ciganos que nunca diria que o eram, pois vestiam-se como eu, gostavam de metal, etc.

O grande problema são as generalizações, e é esse o cerne da xenofobia. Olha sempre de soslaio para as outras raças e apenas lhes cobra o lado mau.

 
At 23.9.10, Blogger Ocelot said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 23.9.10, Blogger Ocelot said...

Nos arredores de Águeda que é onde vivo (perto de Aveiro), tem uma comunidade de ciganos e apesar de não lidar com eles directamente, dá para ver que nem todos são iguais e alguns até têm empregos estáveis. É o grande problema da sociedade de generalizar as coisas: ou são os ciganos, os chineses, os de raça negra, etc… infelizmente esses pré-conceitos ainda vão existir, mas não é só aí que estende a ignorância da sociedade. Discute-se por causa de etnias, ou é do futebol, religiões, ideais ou por causa do status da pessoa e isso é mesmo ignorância e isso faz-me pensar mas que raio de reflexão ou respeito é que temos por nós próprios (a população).
É repugnante ver esta “ditadura democrática” e dá para ver que não existem igualdades de direitos.
Não estou muito por dentro dos direitos que os ciganos ou os estrangeiros têm pelo estado, mas sei que pelo menos os ciganos têm alguns e que os chineses não pagam impostos durante 5 anos (penso que anda é assim). Aí não concordo com esses benefícios todos que têm (o nosso estado deve ter protocolos com os respectivos países que sejam lucrativos), e penso que a melhor solução seria a que o André sugeriu: que tivessem de mostrar os resultados num determinado prazo a definir e aqueles que não conseguissem que podiam ficar cá, mas sem qualquer tipo de despesa para o estado ou então o estado apoiava por uma percentagem relativamente baixa.

 
At 23.9.10, Blogger Mariana said...

Até gostava de saber que produtividade económica a maioria dos ciganos trazem aos países aos quais imigraram...
Quase nenhuma!
É uma pobreza a gerar ainda mais outra pobreza.

Entendo toda essa preocupação em relação aos direitos humanos, e só não concordo com a forma como estão a ser retirados. E só apenas isso.
Concordo sim em retirar os ilegais.

 
At 23.9.10, Blogger Scometa said...

Culturalmente, basta olharmos para o sul de espanha e a música flamenca para percebermos que tiveram muita importância.

Imagina Mariana que se seguia o exemplo francês aqui em Portugal. Para onde ias "retirar" os ciganos? Aqueles que nasceram em Portugal?

 
At 23.9.10, Blogger ::Andre:: said...

Eduardo, quando me referia a regras referia-me a regras para tudo. Não se podia aceitar o bullying laboral...

 
At 23.9.10, Blogger André Forte said...

primeiro: título fantástico.

segundo: não é só impressionante ser a frança do Maio de 68 que avança com esta parvoíce, mas também o facto deste papa, repito, deste, discursar sobre o quão errada ela é. tudo ao contrário.

 
At 30.3.11, Blogger gipsymundo said...

OLA sou um cigano em que eu e os meus antepassados nascemos em portugal! pertenço a uma comunidade cigana que esta aqui pelo menos á cinco séculos.
E agora porque á ciganos que não sabem se comportar, temos que pagar por eles?
Para os não ciganos basta ser cigano para ter todos os defeitos.
Por toda uma comunidade no mesmo saco é um crime, é pura xenofobia, contra uma comunidade que tem sofrido muitas represálias ao longo de séculos.
Sou da opinião de que os ciganos devem se abrir mais, á sociedade para um melhor convívio entre culturas tão diferentes.O sistema da sucosidade dos não ciganos está feito para, favorecer o monstro económico dos países mais ricos do mundo, eles levam tudo e o povo passa a vida a trabalhar e leva as migalhas.Vivem toda a vida para trabalhar, nos os ciganos tralhamos o suficiente para viver a vida!
Por isso a comunidade cigana tem um sentimento de liberdade que contagiam e incomodam qualquer sistema!

 

Enviar um comentário

<< Home