19 abril, 2010

Mouth of the Architect e o cinema

Ao segundo tema do excelente Quietly ouvimos um sample dum filme, alguma vez se questionaram/ pesquisaram? É do filme Network de 1976, filme que voltou a ser falado no ano passado após o Oscar póstumo de Heath Ledger visto que Peter Finch foi o primeiro a vencer tal prémio. Em relação ao filme, é uma excelente sátira, diria que actual mesmo que já tenham passado trinta anos, sobre as estações de televisão e a tentativa a tudo custo de obter audiências. Eis o discurso de Howard Beale:

I don't have to tell you things are bad. Everybody knows things are bad. It's a depression. Everybody's out of work or scared of losing their job. The dollar buys a nickel's work, banks are going bust, shopkeepers keep a gun under the counter. Punks are running wild in the street and there's nobody anywhere who seems to know what to do, and there's no end to it. We know the air is unfit to breathe and our food is unfit to eat, and we sit watching our TV's while some local newscaster tells us that today we had fifteen homicides and sixty-three violent crimes, as if that's the way it's supposed to be. We know things are bad - worse than bad. They're crazy. It's like everything everywhere is going crazy, so we don't go out anymore. We sit in the house, and slowly the world we are living in is getting smaller, and all we say is, "Please, at least leave us alone in our living rooms. Let me have my toaster and my TV and my steel-belted radials and I won't say anything. Just leave us alone." Well, I'm not gonna leave you alone. I want you to get mad.

10 Comments:

At 19.4.10, Blogger Neuroticon said...

O filme é enorme! A prestação de Finch é enorme! O discurso é poderosíssimo e encaixa muito bem no tema :)

Tens uma cena igual com um texto do Kevin Spacey no The Life Of David Gale no Precambrian...

 
At 19.4.10, Blogger Tomé said...

Os Maybeshewill também usam, a efeito brutalissimo, na Not For Want Of Trying, do 1º album, adoro mesmo essa música, ta incrivel, um dos discursos mais emocionais de sempre

 
At 19.4.10, Blogger gangrena said...

ia dizer isso, os Maybeshewill também usam. aliás foi através deles que fui ver o filme e fiquei a conhecer este senhor e as coisas que ele fazia pela televisão. é um discurso óptimo realmente.

 
At 19.4.10, Blogger Rui said...

Esse discurso é também usado no album do ano passado dos Woburn House, e também na segunda faixa desse álbum. A pribmeira vez que ouvi pensei que era algo feito pelos próprios Woborn House, mas mais tarde ouvi o álbum dos MOTA e percebi que não devia definitivamente ser algum dos Woborn e investiguei até chegar a esta mesma conclusão.

 
At 19.4.10, Blogger Gonçalo said...

Também é usado no álbum dos One Hundred Steps. Originalidade :P

 
At 19.4.10, Blogger naSum said...

Ya. Esse discurso já o ouvi em 3 álbuns fo**-se! Maybeshewill, Mota e depois One Hundred Steps. Anda tudo a com as mesmas ideias? xD

 
At 19.4.10, Blogger Ricardo Proença said...

Esse excerto do "The Network" é quase lendário.

Já o vi reproduzido não só em álbuns (dos mais variados estilos musicais) mas também em filmes.

Para completar a lista, o excerto também aparece na música "In G.O.D We Trust (Gold, Oil & Drugs)", do álbum Bone Of My Bones de Ebony Bones!.

 
At 20.4.10, Blogger Scometa said...

com o também grande william holden

 
At 20.4.10, Blogger Maléfico Patético said...

AHAHA (riso maléfico)

é bom ver que a grande Masmorra Infernal do Sr. Satanás é seguida pelo mundo inteiro.

 
At 21.4.10, Blogger ::Andre:: said...

Txxx, tou a ver que é um grande cliché...

 

Enviar um comentário

<< Home